segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

MPB SERÁ DESTAQUE NA 17ª EDIÇÃO DO PROJETO "CONCERTOS NA IMPRENSA" NA SALA DE CULTURA LEILA DINIZ EM NITERÓI - RJ

 
 
 
 
 
 

Já tradicional na programação cultural de Niterói, o Concertos na Imprensa Oficial de 2013 inicia as atividades no próximo dia 30 de janeiro.
A décima sétima edição do projeto contará com o Duo Carol Carvalho e Dudu Louro que irão interpretar clássicos do cancioneiro nacional como Não deixe o samba morrer, de Edson Conceição e Aloísio, Flor de Lis, de Djavan e Lobo Bobo, de Carlos Lyra e Ronaldo Bôscoli.
 
Apaixonado pela música popular brasileira, o Duo formado pela contralto Carol Carvalho e pelo tenor e pianista Dudu Louro também apresentará canções de sua própria autoria. Formada em Canto Lírico e Licenciada em Música pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ),
Carol formou a parceria com o Dudu, que é bacharelando em Música, no curso de Composição na mesma universidade, com o intuito de divulgar a Música Popular Brasileira. No programa, ainda figuram ícones de repertório como As rosas não falam, de Cartola, Força Estranha de Caetano Veloso, Isso aqui o que é de Ary Barroso, Se todos fossem iguais de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, entre outros.
O músico conta o que o público pode esperar da apresentação: “A platéia irá ouvir músicas bem executadas.
Escolhemos um repertório bem popular para interagir com todos. Espero que saiam da apresentação alegres e satisfeitos com o nosso trabalho”.
O Concertos na Imprensa Oficial é resultado da parceria entre a Nova Imprensa Oficial e o Programa Aprendiz – Música na Escola da Secretaria de Cultura de Niterói/FAN.
 
 
Além de apreciar a apresentação, os visitantes podem conferir também a mostra Brasil e suas Etnias Africanas, que reúne máscaras, bonecos, quadros da artista plástica Beth Medeiros. Em sua exposição, ela exibe como o Brasil, resultado da união entre índios, europeus e africanos, transformou-se em um ponto de reencontro de pessoas que residiram na África há milênios.
 
 
 



 

 
 
 
Leila Roque Diniz nasceu no dia 25 de março de 1945, em Niterói, Rio de Janeiro, onde passou a maior parte de sua vida. Faleceu em um desastre de avião, no dia 14 de julho de 1972, aos 27 anos, quando voltava de uma viagem a Austrália.

 O imaginário brasileiro está repleto de figuras femininas marcantes, algumas delas quase míticas. Em uma lista na qual cabem as mais diversas personalidades:

Carlota Joaquina, Chica da Silva, Anita Garibaldi, Chiquinha Gonzaga, Marquesa de Santos, Dona Beja e Luz del Fuego, só para ficar entre algumas, a figura de Leila Diniz surge envolta sempre por um halo de incrível jovialidade.


 Formada professora, trabalhou em um jardim de infância e, aos 17 anos, conheceu o cineasta Domingos Oliveira, com quem se casou. Depois de terminar o relacionamento, que durou três anos, passou a trabalhar como atriz, primeiro no teatro e, a seguir, na televisão e no cinema. Casou-se também com o diretor de cinema Ruy Guerra, com quem teve uma filha.

Leila participou de 14 filmes, 12 telenovelas e várias peças teatrais. Na Austrália, ganhou o prêmio de melhor atriz com o filme Mãos vazias.
 
 

Alegria e irreverência

 
 
Contudo, se Leila tornou-se uma figura marcante, isso se deve, principalmente, à sua personalidade ousada, inimiga de todas as convenções. Em sua curta existência, ela conseguiu romper inúmeros tabus da sociedade brasileira, àquela época vivendo sob a ditadura militar.

Na histórica entrevista concedida ao semanário O Pasquim, em 1969, Leila Diniz, além de rechear suas falas com palavrões, afirmou: "Você pode amar muito uma pessoa e ir para a cama com outra. Já aconteceu comigo". Lida nos dias atuais, em pleno início do século 21, essa maneira de pensar talvez não escandalize a muitos, mas, naquela época, provocou reações extremadas. Ela também concedeu várias outras entrevistas, sempre corajosas - além do fato de ter escandalizado o Brasil ao exibir sua gravidez na praia, usando um biquíni.

Leila deu nova vida ao teatro de revista, atuando como corista no espetáculo Tem banana na banda, baseado em textos de Millôr Fernandes, Luiz Carlos Maciel, José Wilker e Oduvaldo Viana Filho. Em 1964, contracenou com
Cacilda Becker em O preço de um homem. Baseado no romance de Antônio Callado, o filme Madona de cedro foi um de seus melhores momentos, sob a direção de Carlos Coimbra. Em 1968, esteve na Alemanha, no Festival de Berlim, para representar Fome de amor, de Nelson Pereira dos Santos. E sem jamais abdicar da alegria e da irreverência, foi eleita a Grávida do Ano no programa do Chacrinha.

No que se refere ao seu trabalho na tevê, Leila desempenhou papéis nas novelas Eu compro essa mulher e O Sheik de Agadir, escritas por Glória Magadan. No total, fez 12 novelas, além de atuar no ramo da propaganda, fazendo publicidade de diversos produtos.

Semeando oposição entre os conservadores e as feministas, preocupada apenas em ser fiel ao seu próprio sistema de valores, criticada pela sociedade patriarcal e machista, perseguida pela direita, difamada pela esquerda conservadora e considerada vulgar pelas mulheres de seu tempo, Leila Diniz tornou-se um ícone da liberdade, do hedonismo e da indignação que não abdica de sonhar e alegrar-se.
 

Sala de Cultura Leila Diniz
 
Um espaço para mostrar a sua arte. Criada para apoiar e incentivar toda produção cultural. Um espaço moderno e prazeroso, onde além de apreciar as diversas formas de arte em exposições, pode-se desfrutar da beleza dos jardins inspirados no genial paisagista Roberto Burle Marx. À Rua Professor Heitor Carrilho, 81 - Centro - Niterói - RJ - De Segunda a Sexta das 10h às 17h / Sábado de 14h às 17h.
 
SERVIÇO:
Concertos na Imprensa Oficial
Data: 30 de janeiro (quarta-feira)
Local: Sala de Cultura Leila Diniz
Horário: Às 12h30.
Endereço: Rua Heitor Carrilho, 81, Centro/Niterói
 
 
ENTRADA FRANCA
 
 
 
 

Nenhum comentário: