segunda-feira, 8 de junho de 2015

CONVITE PARA EXPOSIÇÃO VERMELHO: A COR QUE TRANSGRIDE E INQUIETA COM O FOTÓGRAFO DAVY ALEXANDRISKY. CONFIRA.


CONVITE




VERMELHO: A COR QUE TRANSGRIDE E INQUIETA
É TEMA DE EXPOSIÇÃO DO FOTÓGRAFO DAVY ALEXANDRISKY


O fotógrafo Davy Alexandrisky comemora 47 anos de carreira com uma nova exposição. No dia 9 de junho abre Vermelho, na Sala José Cândido de Carvalho, em Ingá, em Niterói.
A mostra é resultado de um mergulho em seus arquivos de fotografias digitais produzidas na última década a partir de um desafio para a publicação de ensaios no site: www.davyfotografia.com.br , lançado recentemente.
Alexandrisky tem um longo percurso pela publicidade; fotojornalismo; foto industrial e social; mas a proposta foi garimpar no acervo ensaios que representassem a visão do artista. Deste garimpo surgiu Vermelho, composto por oito imagens que incluem  natureza, pessoas e espetáculos.

“Quando as imagens se conectam pela cor, elas se ressignificam. O vermelho é polêmico, a cor da prosperidade que ao longo do tempo se tornou proibida, violenta, apaixonante”, explica Sandra Vasconcelos, curadora de conteúdo do site do artista.
Para o fotógrafo, o vermelho seduz, encoraja, transgride e inquieta, mexe com o corpo e os sentidos. “Busquei imagens que se aproximassem do monocromático. Escolhi o vermelho por ser a cor que nos faz parar no trânsito, como na intenção de fazer o espectador parar diante das minhas fotos. Fotos de muitos momentos e lugares diferentes, fotografadas com as mais diversas intenções”, diz.

A gramática fotográfica tem seu discurso influenciado por uma gama infinita de variáveis, as quais venho experimentando desde 1968, quando me tornei fotógrafo profissional. São filmes de variadas sensibilidade à luz e consequentes diferenças de textura. Diferenças que se multiplicam pela fórmula química de seus banhos de revelação, combinados com as respectivas temperaturas em grau Celsus. Que ainda podem ter seu resultado modificado pela faculdade do fotógrafo errar deliberadamente a sua exposição à luz. Qualquer fotógrafo foto-químico – ou, modernamente, analógico – poderia encher várias páginas como essa só de experiências experimentadas pessoalmente no laboratório. Fora as centenas de milhares de páginas de uma farta bibliografia sobre técnica fotográfica.


Há 10 anos abandonei isso tudo para viajar no mundo da produção da imagem digital que, por sua vez, faz dessas múltiplas possibilidades fotoquímica ou analógica algo próximo ao finito, diante das opções que nos oferece a chamada fotografia digital. A compreensão dos números é inatingível. São dados da ordem de 16, 32 ou 65 milhões de cores, por exemplo. E usei justo o exemplo, dos milhões de cores, porque decidi comemorar meus 10 anos com um mergulho nos meus arquivos digitais para buscar fotografias que se aproximassem do monocromático. Podia ser azul, amarelo ou fúcsia, mas escolhi o vermelho por ser a cor que nos faz parar no trânsito, como na intenção de fazer o espectador parar diante das minhas fotos, de muitos momentos e lugares diferentes, fotografadas com as mais diversas intenções. 
DIZ: DAVY ALEXANDRISKY




VERMELHO
Abertura dia 9 de junho, às 19 horas

Sala José Cândido de Carvalho, em Ingá – Niterói – RJ
Rua Presidente Pedreira, 98,

Tel (21) 2621 5050


Exibição: até 3 de julho, 
das 9h às 18h de segunda à sexta-feira.


APOIO E DIVULGAÇÃO







VISITE O SITE DO FOTÓGRAFO




Um comentário:

Anônimo disse...

Parabéns ao Davy, fotógrafo de muito talento, profissional de truz! Estarei lá.
Carlos Rosa.