segunda-feira, 2 de novembro de 2015

A LEITURA DRAMATIZADA DE "O INSPETOR GERAL", DO RUSSO NIKOLAI GOGOL COM DIREÇÃO DE TELCY RUAS EMPOLGA PLATEIA NO TEATRO MUNICIPAL DE NITERÓI. CONFIRA AS IMAGENS.

 
 
(CLICAR NA IMAGEM PARA ASSISTIR AO VÍDEO)
 

 
OU CLICAR NO LINK PARA ASSISTIR NO
CANAL YOU TUBE DO
FOCUS PORTAL CULTURAL
 
 
 
 
 
 

O TEATRO MUNICIPAL DE NITERÓI EM PARCERIA COM A ATACEN DRAMATIZARAM, O TEXTO "O INSPETOR GERAL", DO RUSSO NIKOLAI E OBTEVE UM ENORME SUCESSO DE PÚBLICO.
Segundo  Metzler “A leitura dramatizada constitui-se na apresentação pública de uma leitura de texto teatral, em que atores interpretam uma peça ou parte dela com o texto em mãos.”(METZLER, 2006, p.131).
Dramatização, que foi apresentada por diversos atores encantou o público de cerca de 200 pessoas. Com o anfiteatro completamente lotado,  a leitura dramatizada de "O Inspetor Geral" do russo Nikolai Gogol  sob a direção da teatróloga e atriz Telcy Ruas apresentado no Teatro Municipal de Niterói, no dia 27 de outubro, contagiou o público com o tom de comédia do coloquial. A casa estava repleta de representantes de diversos segmentos artísticos da cidade, além dos atores que fizeram a dramatização e mostraram todo o talento.
 
 
O ELENCO
Aldo Perrota, Rafael Zulu, Wagner Trindade, Ricardo Sanfer, Bruno Luzes, Raquel Penner, Matheus Signorelli, Diego Daniel, Fernanda Guerreiro, Dárdana Rangel, Ricardo Silva, Junior Mello e Telcy Ruas e PARTICIPAÇÃO ESPECIAL dos Músicos Leon Nascimento e Noel Nascimento.
 
O TEXTO
Conta a notícia da chegada de um suposto inspetor geral, supervisor de alto escalão das repartições públicas, causando pânico aos políticos de uma pequena cidade russa devido às fraudes e péssimas condições presentes pela corrupção.
Enquanto o governador, o juiz, o diretor do hospital e outros conspiram em como recebê-lo da melhor forma possível, um oportunista viajante utiliza-se da notícia para ganhar regalias alegando ser o tal inspetor, e com isso desencadeia uma série de acontecimentos inusitados que revelam a natureza das relações humanas guiadas pelo poder, medo, desonestidade, hipocrisia, futilidade e desejo, em uma comédia russa do período pré-revolucionário, mas que se mantém atual.
 
SOBRE DRAMATIZAÇÃO NO TEATRO
Apesar de a leitura dramatizada seja ainda pouca estudada e portanto, em construção, para os estudiosos da dramaturgia. O Teatro Municipal já dramatiza textos há cerca de 7 anos e tem alcançado enorme sucesso de público.
 
 
O AUTOR
 
 
NICOLAI VASSÍLIEVITCH GÓGOL
Do pai herdou o prazer de escrever e da mãe o intenso sentimento religioso que o levaria ao misticismo. Nicolai Vassílievitch Gógol, nascido na vila da província ucraniana de Vassílievska aos 19 de março de 1809 e sob influência literária de escritores como Goethe, publica, aos vinte anos, o poema Hans Küchelgarten, que após ter recebido críticas negativas tem todos seus exemplares recolhidos e queimados pelo autor.
Essa atitude e o fato em si lhe provocaram enorme angústia, tanta que embarcou no primeiro navio para a Alemanha e retorna em pouco tempo. Voltar para a capital, São Petersburgo, e lutar pela conservação das tradições culturais da Rússia, junto a outros intelectuais, impulsiona-o a colaborar na revista Letras Patrióticas, e publicar aí seu primeiro conto: A Noite de São João. Conhece o poeta Puchkin que se torna seu mestre, e a partir daí inicia sua publicação, inicialmente de contos sobre os costumes de sua terra e introduzindo o humor na literatura russa, fato inédito até então.
Fracassa como professor universitário (1834), porém não se abala e publica alguns contos, entre eles Diário de um Louco, que narra as peripécias de um funcionário por ser internado no hospício ao acreditar-se rei da Espanha; e ainda as obras: Arabescos e Mirgórod (1835), e O Inspetor Geral (1836) comédia levada aos palcos pelo autor, recebendo crítica dividida, o que abala  seu  ânimo, levando-o a viajar pela Europa.
Em Roma trabalha arduamente em um novo livro, porém ao saber da morte de Puchkin, cai em profundo desânimo retorna à Ucrânia e novamente a Roma, para finalmente trazer ao público russo em 1841 o manuscrito de sua obra mais importante, Almas Mortas, descrevendo fielmente a Rússia daquela época.
Enfrenta problemas com a censura e o pior, o povo russo impacta-se com a negatividade transmitida por essa obra e o escritor sofre os abalos dessas críticas, seu estado nervoso piora, aparenta distúrbios cardíacos e crises respiratórias,sobrevive entre calafrios, angústias e medo. Queima os manuscritos de Extratos de uma correspondência e algum tempo depois reescreve e publica (1846) essa obra na qual relata as impressões de Puchkin ao ler os primeiros capítulos de Almas Mortas.
Como recebe demasiadas críticas, que o levam à depressão e ao desespero, publica no ano seguinte, Confissões de um Autor, um desabafo e protesto contra as críticas que vinha recebendo, pois todos se voltaram contra ele, desde os amigos, os literatos, os políticos, o clero, a família imperial até e principalmente, os inimigos e os críticos.
 
Busto de Nicolau Gogol em São Petersburgo
 

 

 

Foi acusado pela Igreja de possuir um ‘orgulho satânico’ e por outro lado, pelos ascetas, a acusação veio por ter defendido os ‘prazeres mundanos’. Desiludido, queima os manuscritos dessa obra, e descrente da vida ou da salvação da alma, prostra-se em seu leito, recusando a partir de então, ingerir qualquer tipo de alimento, esperando a chegada da morte, que se faz presente em dez dias, em 21 de fevereiro de 1852.


******************************************
 

Assista ao vídeo e veja as imagens produzidas pelo Focus Portal Cultural - clicar no link do Canal You Tube:
 
 
 
 
ALGUMAS IMAGENS
 

Teatro Municipal de Niterói
espectadores aguardam na fila o momento da
abertura do Teatro.



O editor dessa revista cultural esteve presente ao local.



Shirley Araújo e Alberto Araújo
 do Focus Portal Cultural

Plateia presente.

 Outro ângulo da plateia presente.




Início da apresentação da leitura dramatizada.
 
Atores interpretam personagens de O Inspetor Geral.

O Ator Rafael Zulu interpreta o inspetor "charlatão".


Atores no palco se despedem do público.







 

A escritora Dalma Nascimento ao lado de sua nora e
de seus dois netos, os músicos Leon e Noel Nascimento
que participaram do espetáculo. (Veja o vídeo)
 
 

 
 
APOIO CULTURAL
 
 




COMENTÁRIOS




Niterói, Rio, madrugada da segunda-feira,  2 de novembro de 2015.
Muitíssimo obrigado, queridíssimo Alberto...!
Você arrasou com sua filmagem incrivelmente boa, estável, bem feita
e, sobretudo, generosa!
Obrigadíssimo pelo envio! 
Todos gostaram muitíssimo! 
Que arraso completo ver seu registro em vídeo!
Abraço especialmente fraterno do amigo,
Cláudio.












 
Luís Cláudio Portugal do Nascimento
é atualmente professor de design
na Faculdade de Arquitetura-USP.
 
**************************************





 
 
 
 

Nenhum comentário: