sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

CECÍLIA MEIRELES - UMA VOZ LÍRICA NA LÍNGUA PORTUGUESA, UM FILME DE ALBERTO ARAÚJO DO FOCUS PORTAL CULTURAL. CONFIRA.

 
 
CLICAR NA IMAGEM DE CECÍLIA MEIRELES
PARA ASSISTIR AO FILME,
PRODUZIDO POR ALBERTO ARAÚJO.
 

 
 
OU CLICAR NO LINK DO CANAL YOU TUBE DO
FOCUS PORTAL CULTURAL
 
 
 
 
Cecília Meireles - poetisa e jornalista brasileira.
 
Cecília Benevides de Carvalho Meireles  nasceu no Rio de Janeiro em 7 de novembro de 1901. foi uma poetisa, pintora, professora e jornalista brasileira. É considerada uma das vozes líricas mais importantes das literaturas de língua portuguesa.
 
 
 
Cecília Meireles nasceu no bairro da Tijuca, filha dos açorianos Carlos Alberto de Carvalho Meireles, um funcionário de banco, e Matilde Benevides Meireles, uma professora. Foi filha órfã criada por sua avó açoriana, D. Jacinta Garcia Benevides, natural da ilha de São Miguel. Aos nove anos, ela começou a escrever poesia. Frequentou a Escola Normal no Rio de Janeiro, entre os anos de 1913 e 1916 estudou línguas, literatura, música, folclore e teoria educacional.
 
 
Em 1919, aos dezoito anos de idade, Cecília Meireles publicou seu primeiro livro de poesias, Espectros, um conjunto de sonetos simbolistas. Embora vivesse sob a influência do Modernismo, apresentava ainda, em sua obra, heranças do Simbolismo e técnicas do Classicismo, Gongorismo, Romantismo, Parnasianismo, Realismo e Surrealismo, razão pela qual a sua poesia é considerada atemporal.
 
 
 
No ano de 1922 casou com o artista plástico português Fernando Correia Dias, com quem teve três filhas. Seu marido, que sofria de depressão aguda, suicidou-se em 1935. Voltou a se casar, no ano de 1940, quando se uniu ao professor e engenheiro agrônomo Heitor Vinícius da Silveira Grilo, falecido em 1972. Dentre as três filhas que teve, a mais conhecida é Maria Fernanda que se tornou atriz.
Teve ainda importante atuação como jornalista, com publicações diárias sobre problemas na educação, área à qual se manteve ligada, tendo fundado, em 1934, a primeira biblioteca infantil do Brasil. Observa-se ainda seu amplo reconhecimento na poesia infantil com textos como Leilão de Jardim, O Cavalinho Branco, Colar de Carolina, O mosquito escreve, Sonhos da menina, O menino azul e A pombinha da mata, entre outros. Com eles traz para a poesia infantil a musicalidade característica de sua poesia, explorando versos regulares, a combinação de diferentes metros, o verso livre, a aliteração, a assonância e a rima. Os poemas infantis não ficam restritos à leitura infantil, permitindo diferentes níveis.
Em 1923, publicou Nunca Mais… e Poema dos Poemas, e, em 1925, Baladas Para El Rei. Após longo período, em 1939, publicou Viagem, livro com o qual ganhou o Prêmio de Poesia da Academia Brasileira de Letras. Católica, escreveu textos em homenagem a santos, como Pequeno Oratório de Santa Clara, de 1955; O Romance de Santa Cecília e outros.
Em 1951 viajou pela Europa, Índia e Goa, e visitou pela primeira e única vez os Açores, onde na ilha de São Miguel contatou o poeta Armando César Côrtes-Rodrigues, amigo e correspondente desde a década de 1940. Faleceu no Rio de Janeiro em 9 de novembro de 1964.
 
 
 
Retrato  
Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
— Em que espelho ficou perdida
a minha face?
 
 
 ALGUNS LIVROS EM
DIVERSAS EDIÇÕES
 
 

 
 
 




 
ALGUMAS FRASES

 


 
 
 
 
CECÍLIA MEIRELES - UMA VOZ LÍRICA
NA LÍNGUA PORTUGUESA
 
 
 
 
 
 
APOIO CULTURAL
 
 
 
 
 
 

4 comentários:

Anônimo disse...

Caro Alberto, bela matéria! E acrescento: Cecília foi a grande paixão do meu poeta preferido, Mario Quintana! PRCecchetti

Anônimo disse...

Parabéns mais uma vez, Alberto, parabéns pelo apuro, pelo bom gosto. Temos grandes poetas, homens e mulheres grandes poetas e poetisas, mas Cecilia... Se eu tiver de escolher... Ah, Cecilia.
Carlos Rosa

Márcia Pessanha disse...

O lirismo da obra poética de Cecília Meireles é digno de aplauso e merece ser divulgado.
Parabéns, Alberto, pela postagem no Focus.

Matilde Carone Slaibi Conti disse...

Muito linda a obra de Cecília Meireles.
Parabéns pelo seu belo trabalho.