quarta-feira, 2 de abril de 2014

VEM AÍ O LANÇAMENTO DO LIVRO 'DO ASSOMBRO E DO IMPROVÁVEL: CLARICE LISPECTOR E HAMLET: O LABIRINTO DA CONSCIÊNCIA" DIA 03 DE ABRIL.

 
 
 
Do assombro e do provável – Clarice Lispector e Hamlet:
o labirinto da consciência
 
De Dília Gouveia
 
 
Editora – PARTHENON Centro de Arte e Cultura
o livro72 páginas
Assunto: Literatura, Ensaio, Filosofia.
Ilustração: Veronica Debellian Accetta.
 
Este é o 3º volume da coleção “Encontros Literários”, da escritora Dília Gouveia, editado pelo Parthenon Centro de Arte e Cultura. A ilustração da capa, em aquarela, de título “Encontro impossível” é da artista plástica Veronica Debellian Accetta. Mauro Carreiro Nolasco é o editor.
 
 
 
 
Prefácio:
 
 
 
Uma vez mais, provocados por Dília, nos aproximamos atentos, em silêncio reverente e assombro, do diálogo essencial. Não é acaso que o encontro da misteriosa Clarice e do príncipe dinamarquês Hamlet se dê no castelo de Kronborg, fortificação imponente a guardar o estratégico estreito de Öresund. Mas não nos enganemos, não estamos confortados no interior de Elsinor, aqui o perigo espreita. Clarice e Hamlet estão para invadir nossa tão bem defendida e encoberta essência, alargar nossa passagem rumo à intimidade comprimida de nossas almas. Clarice e Hamlet não estão aqui para impedir e sim para impelir-nos às profundezas de nós.
 
Diálogo de fogo que queima o real, descortina a coxia escura, inflama-nos a alma indolente, morta, cadáver adiado pelo veneno da covardia, do viver à superfície, onde não falta o ar estéril.
 
Dília nos oferece a mão de Clarice para que esta nos guie ao abismo, mas isso é apenas ilusão. Essa viagem é, definitivamente, de apenas um viajante: o eu, um ser, como Hamlet, insaciado, inquieto, apaixonado, sedento de si, de sentido. Se essa metamorfose interna não acontece, corremos o risco de nos transformarmos em grandes insetos escondidos sob canapés – o de dentro que cobra seu preço. Ou ainda, nada sermos, sem despertar asco ou aversão, o que nos garante a inclusão desavisada. Clarice apenas insinua a vereda, nos instiga, nos convida. Cabe a nós a decisão de romper as acauteladas defesas do canal que separa o mar raso do oceano profundo e não mais viver o porvir fantasiado, mas viver o agora, intensamente, insanamente lúcidos. 
 
Não há como uma alma sensível à existência percorrer este livro sem ser tocada, estocada e ferida de morte. Para, num infinito seguinte, viver!         
 
Renata Candido
 
 

 
Posfácio:
 
 
Temos em mãos, mais uma vez, um diálogo – impossível – concebido por Dília Gouveia.
 
Esta narrativa nos leva a um confronto entre personagens conflitantes que se deparam com o mesmo tema em épocas bem distintas. Há uma idêntica indagação que trespassa o tempo e que está sempre diante de nós, a cada dia, independentemente da tecnologia, dos avanços.
 
O embate entre Hamlet e Clarice Lispector é tão atual quanto constante na mente humana, que tenta exorcizar pela arte o medo do nada, do desconhecido, daquilo que nem os mais lúcidos conseguem desvendar. Essa busca ultrapassa tempos e une intelectos, e só nos é possível percebê-la quando a pena de uma sensitiva – como a autora deste trabalho – consegue captar, do éter, esses eternos confrontos entre seres imortalizados.
 
Como Hamlet, Dília é sonhadora e impulsiva. Impulsiva no sentido de ‘quem dá impulso a’ e não no de ‘quem reage de maneira irrefletida’. A autora nos alerta e também nos faz refletir, em consonância com Clarice: “Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso.”.
 
“Morrer... dormir... dormir... Talvez sonhar...”
Eis a questão.
 
Quem somos, para onde vamos, o que é a vida? Não há respostas, senão na arte.
Ser... Ou não ser?!
 
Mauro Carreiro Nolasco (Editor)
 
 
 
 
Texto da Orelha:
 
 
 
      No liame entre a lucidez e a loucura, Hamlet de Shakespeare e Clarice Lispector desvelaram uma humanidade reconhecida por aqueles que transitam os abismos, a solidão e o caos interior. São protagonistas de um processo iniciático ao perderem-se diante da ruína e do dilaceramento para se surpreenderem pela descoberta de uma vida nova que pulsa das trevas.
 
Cristiana Seixas
 
 
 
 Pequena biografia da autora:
 
 
Radicada em Niterói, é professora de filosofia e literatura.
É autora de “Nas Malhas do Devaneio – o dia em que Fernando Pessoa nos reinventou” e “Movidos pelo Desejo – Emma Bovay e Dr. Fausto: a danação da viagem”.
Promove os Encontros Literários e Filosóficos como uma ponte para que os grupos de estudo se deixem tocar pelo fascínio das obras literárias e se permitam refletir sobre os mais diversos temas que constituem a pluralidade do sentido e da condição humana.
 

 
 
 
 
Local do Lançamento:
 
Espaço 29
R. Cel. Moreira Cesar 29 – Icaraí  –  Tel.: 3628-0093
Dia 16 de dezembro de 2013 às 18h
 
 
 
Parthenon Centro de Arte e Cultura
Rua General Andrade Neves 40 – Centro
24210-000  -  Niterói – RJ
Tel. 2722-2256  -  3619-8119
 
 
 
 

Nenhum comentário: