quinta-feira, 6 de maio de 2021

"MOON RIVER" - AUDREY HEPBURN TRILHA SONORA DO FILME "BONEQUINHA DE LUXO".

 





Audrey Hepburn nasceu em Bruxelas, em 4 de maio de 1929  e faleceu em Tolochenaz, 20 de janeiro de 1993, foi uma atriz e filantropa britânica. Após pequenas aparições em vários filmes, ela estrelou na Broadway na peça Gigi depois de ter sido descoberta pela romancista francesa Colette, em cujo trabalho a peça foi baseada.

Ela chegou ao estrelato depois de ter interpretado o papel principal em Roman Holiday (1953), pelo qual ganhou o Óscar, BAFTA e Globo de Ouro de melhor atriz, tornando-se a primeira atriz a vencer os prêmios supracitados em uma única performance, além do New York Film Critics Circle na mesma categoria. Naquele mesmo ano, Hepburn ganhou o Prêmio Tony de melhor atriz principal em peça por sua atuação em Ondine. Sua segunda indicação ao Óscar de melhor atriz veio com seu filme seguinte, Sabrina (1954). Ela passou a estrelar uma série de filmes naquela década, como War and Peace (1956), Funny Face (1957), Green Mansions e The Nun's Story (ambos de 1959), tendo sido nomeada ao Óscar e ao Globo de Ouro e vencido o BAFTA e New York Film Critics Circle de melhor atriz por este último.

Em 1961, Hepburn estrelou seu papel mais conhecido: Holly Golightly, em Breakfast at Tiffany's, pelo qual recebeu sua quarta indicação ao Óscar de melhor atriz e foi nomeada ao Globo de Ouro de melhor atriz em comédia ou musical. Em seguida, protagonizou Charade (1963), My Fair Lady (1964), How to Steal a Million (1966) e Wait Until Dark (1967), este lhe rendeu novamente indicações ao BAFTA, Globo de Ouro, New York Film Critics Circle e ao Óscar. A partir da década de 1970, Hepburn apareceu em menos filmes, dedicando grande parte dessa fase de sua vida à UNICEF. Ela contribuiu para a organização desde 1954, depois trabalhou em algumas das comunidades mais pobres da África, América do Sul e Ásia entre 1988 e 1992. Recebeu a Medalha Presidencial da Liberdade em reconhecimento ao seu trabalho como Embaixadora da Boa Vontade da UNICEF em dezembro de 1992. Em 20 de janeiro de 1993, aos 63 anos de idade, a atriz morreu na cidade de Tolochenaz, Suíça, em virtude de um câncer de apêndice.

Em reconhecimento à sua carreira cinematográfica, ela ganhou uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood que homenageou sua dedicação e contribuição ao cinema mundial e recebeu o Prêmio Lifetime Achievement do BAFTA, Prêmio Cecil B. DeMille, o Prêmio Screen Actors Guild Life Achievement e o Prêmio Especial Tony. Foi a quinta artista, a terceira mulher, e continua sendo uma das 15 pessoas a conseguir ganhar as quatro principais premiações do entretenimento americano, o EGOT — acrônimo de Emmy, Grammy, Oscar e Tony. Reconhecida como um ícone de cinema, estilo e moda, Hepburn foi classificada pelo American Film Institute como a terceira atriz mais importante da Era de Ouro de Hollywood.












quarta-feira, 5 de maio de 2021

MONA CANTA DALVA NAS PLATAFORMAS ONLINE DO THEATRO MUNICIPAL DE NITERÓI

 




 

Na semana do aniversário de Dalva de Oliveira, o Theatro Municipal de Niterói apresenta, nos dias 8 e 9 de maio, sábado e domingo, respectivamente, às 19h, o espetáculo “Mona canta Dalva”. O público poderá acessar o link do show que foi gravado no Maison de France, no story das redes sociais do Theatro.

 

Em 2017, Mona Vilardo começou o projeto “Elas por Ela - As Rainhas do Rádio por Mona Vilardo”, homenageando Dalva de Oliveira no ano do seu centenário. O espetáculo estreou no Teatro Maison de France e seguiu para o Teatro Dulcina, chegando em Niterói, em 2018, nos Teatros da UFF e Municipal de Niterói.

 

Mona sobe ao palco acompanhada de Daniel Sant'Ana, no violão, do trompetista Ricardo Nascimento e do percussionista Ayres d'Athayde. Ela, que é formada em canto lírico pela UNIRIO, possui experiência com a música da Era de Ouro do Rádio, já que fez os musicais "Emilinha e Marlene - A Era do Rádio", "Agnaldo Rayol - Alma do Brasil" e “Ary Barroso – do começo ao fim”. 

 

“Mona canta Dalva” conta a história dessa mulher, nomeada Rainha da Voz e que deixou na memória do povo brasileiro muito mais do que canções com grande empenho vocal, mas que marcaram uma época importante para a música brasileira e que traduziam toda vida de amor e dor que Dalva de Oliveira viveu.

 

Direção: Marcia do Valle

Roteiro: Marcia do Valle e Mona Vilardo

Direção musical: Alexandre Prado

Luz: Filomena Mancuzo

Produção: Filomena Mancuzo

Assistente de Produção: Fernanda Guerreiro

 

Sobre Dalva de Oliveira

Vicentina de Paula Oliveira, conhecida como Dalva de Oliveira, foi uma consagrada cantora nascida na cidade de Rio Claro, SP. Foi considerada uma das mais importantes cantoras do Brasil, marcando época como intérprete. Dalva fez mais de 400 gravações ao longo da carreira, participando inclusive do coro nos discos de Carmem Miranda e Orlando Silva. Nas gravações de sua carreira solo, eternizou canções como "Lencinho Branco", "As Pastorinhas" e "Folha Morta".

 

Serviço:

Dia 8 e 9 de maio de 2021

Horário: 19h

Local de exibição: 

Instagram @theatromuniicipaldeniteroi 

e facebook theatromunicipaldeniteroi

 



LIVE DO CULTURA ALTERNATIVA DIÁLOGOS EM 05 DE MAIO DE 2021

 





LIVE DO CULTURA ALTERNATIVA DIÁLOGOS EM 05 DE MAIO DE 2021. CLICAR NO LINK: https://youtu.be/QbPJhBxNWAE






PAULO GUSTAVO O REI DO RISO. HOMENAGEM DO FOCUS PORTAL CULTURAL

 




 

Sou mesmo inveterado-apaixonado pela obra do ator, escritor e comediante Paulo Gustavo. Em 17 de fevereiro de 2017, revi o Campeão do Cinema Nacional: MINHA MÃE É UMA PEÇA 2. O longa-metragem estava em exibição, no Plaza Shopping, em Niterói. Cá entre nós, ele não estava perfeito, como Dona Hermínia? Portanto, você que ainda não o assistiu é tempo. Têm disponíveis todos os 3 filmes pela internet. O terceiro filme, MINHA MÃE É UMA PEÇA 3, Dona Hermínia em Nova Iorque, ela apronta muito por lá. Tem uma postagem sobre o filme no Alberto Araújo & Amigos.  

Clicar aqui: https://albertaraujo.blogspot.com/search?q=minha+m%C3%A3e+%C3%A9+uma+pe%C3%A7a

 

PAULO GUSTAVO AMARAL MONTEIRO DE BARROS nasceu em Niterói, 30 de outubro de 1978 e faleceu Rio de Janeiro, 4 de maio de 2021, ator, humorista, diretor, roteirista, e apresentador brasileiro. Ficou conhecido pelo monólogo Minha Mãe É uma Peça, o qual, em 2013, virou um longa-metragem e o filme mais assistido daquele ano no Brasil; e, em 2015, foi publicado como um livro pela editora Objetiva. Devido ao enorme sucesso de crítica e público, em 2016, foi lançado Minha Mãe é uma Peça 2, e, em 2019, Minha Mãe É uma Peça 3. Indicado ao Prêmio Shell de Melhor Ator, Paulo Gustavo formou-se na Casa das Artes de Laranjeiras (CAL) no início de 2005; junto com Fábio Porchat, Marcus Majella, entre outros.

 

Paulo Gustavo ganhou visibilidade no final de 2004, quando integrou o elenco da peça Surto. Na ocasião, apresentou a personagem humorística Dona Hermínia. Após sua formatura, em janeiro de 2005, deixou o elenco de Surto e passou a integrar a peça Infraturas. Nesse período também começou a fazer pequenas participações na TV, como na novela Prova de Amor, da Record, e na série A Diarista, da Globo. Em 2006 estreou o espetáculo Minha Mãe É Uma Peça, que ganhou uma adaptação para o cinema em 2013 e uma continuação em 2016. No monólogo, com texto de sua autoria, Paulo voltou a interpretar Dona Hermínia. Construída através de suas observações domésticas e vivenciais, ela reúne os aspectos mais cômicos da personalidade de uma típica dona de casa de meia idade, sempre à beira de um ataque de nervos. Sua atuação lhe rendeu uma indicação ao Prêmio Shell de melhor ator.

 

Paulo Gustavo voltou a protagonizar um título novamente nos palcos em 2010, para apresentar o espetáculo Hiperativo, dirigido por Fernando Caruso. Em 2011, ele tornou-se o apresentador do 220 Volts. Em junho de 2013, estreou na produção para TV o sitcom Vai que Cola, no Multishow, que ganhou uma adaptação para o cinema em 2015. Em 2014 o ator esteve em um novo programa, o reality Paulo Gustavo na Estrada, do Multishow.

 

Em 2017, deixou o Vai Que Cola e entrou no programa A Vila, junto com Katiuscia Canoro, com o roteiro de Leandro Soares. Em 2018, gravou o DVD da peça Minha Mãe é uma Peça na Concha Acústica do Teatro Castro Alves na cidade de Salvador.





domingo, 2 de maio de 2021

TROVA 02 DE MAIO 2021. PROJETO TROVAS NA VOZ DO TROVADOR ANTONIO SOARES-ASO, O CONDOREIRO DO AMOR




TROVA DIA 02 DE MAIO DE 2021. 

PROJETO TROVAS NA VOZ DO 

TROVADOR ANTONIO SOARES-ASO, 

O CONDOREIRO DO AMOR.

CLICAR AQUI: https://youtu.be/ZAsejhPm-ms

 

 

Confesso, tive a esperança

do que gostasses de mim...

Hoje, faz rir-me a lembrança

de que fui ingênuo assim.

 

 


JORNAL SANTA ROSA" - EDIÇÃO 1.497 - SEGUNDA QUINZENA DE ABRIL DE 2021. EDITORA GERAL SÍLVIA TANI

 




AMIGOS FOCULISTAS: "JORNAL SANTA ROSA" - EDIÇÃO 1.497 - SEGUNDA QUINZENA DE ABRIL DE 2021. EDITORA GERAL SÍLVIA TANI. 
























APOIO NA DIVULGAÇÃO











sábado, 1 de maio de 2021

RESENHA DA TENDA DOS ESCRITORES AO AR LIVRO, MÊS DE MAIO DE 2021. COORDENAÇÃO PAULO ROBERTO CECCHETTI




RESENHA DA TENDA DOS ESCRITORES AO AR LIVRO, MÊS DE MAIO DE 2021. COORDENAÇÃO PAULO ROBERTO CECCHETTI. BOA LEITURA!

Todo dia, sabemos, faz tempo, é dia de louvar a mãe. Aquela que afaga, ralha, vibra, chora pelos seus filhos. E no segundo domingo de maio paramos para abraçá-la, presenteá-la, seja no café da manhã, seja no almoço onde se reúnem filhos, netos e genros, trazendo um tanto de carinho para quem dedicou sua vida inteira em educar e preparar muitos para o futuro que corre ligeiro, lá fora. Maio-mulher-mãe. Mês das flores vermelhas como o sangue materno que corre no corpo da mulher que desejou procriar, criar e ver crescer o filho - para ela - pródigo. Mãe que não mede esforços para elevar suas preces e pedir ao Pai que ore e olhe pelos seus rebentos. 

Abençoada, pois!

 

 


APOIO NA DIVULGAÇÃO









 

EM 01 DE MAIO CELEBRAMOS O DIA DA LITERATURA - HOMENAGEM DO FOCUS PORTAL CULTURAL




EM 01 DE MAIO DIA DA LITERATURA. O Dia da Literatura Brasileira é celebrado, anualmente, em 1º de maio. A data é uma homenagem aos grandes escritores e às suas belíssimas obras, que passam por uma extensa e rica diversidade de escolas literárias, marcando cada período social e intelectual da história do Brasil.

O FOCUS PORTAL CULTURAL HOMENAGEIA OS ESCRITORES de nossa cidade, que recentemente, adquirimos as suas preciosas obras: (In memoriam) Renato Augusto Farias de Carvalho - Fim de Tarde; Sandro Pereira Rebel - Cem trovas com humor e Cem sem; Alba Helena Corrêa - A Voz do Cordel Sudestino e Beto Travassos - Alma e Poesia.

Distinguimos os quatros literatos de nossa cidade pelo simples motivo feliz, de nos terem presenteado com os seus recentes trabalhos literários. Gratos e honrados com as suas delicadezas em nos fazerem felizes e inserirem em nossos corações às suas íntegras e floridas molduras literárias.

A obra "FIM DE TARDE" tem o selo da renomada EDITORA PARTHENON e o prefácio é assinado pela mestra escritora, doutora Dalma Nascimento. A obra "CEM TROVAS COM HUMOR E CEM SEM" de Sandro Rebel tem o selo da Editora NITPRESS e o prefácio do escritor, acadêmico Juber Baesso. O livro "A VOZ DO CORDEL SUDESTINO" de Alba Helena Corrêa - tem a assinatura prefacial de Gonçalo Ferreira da Silva, Presidente da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, a capa e editoração eletrônica do Jornal Unidade. A obra "ALMA & POESIA" em 2ª edição de Beto Travassos é uma produção independente e tem o prefácio assinado pelo próprio autor. Obrigado prezados escritores. Abraços do ALBERTO ARAÚJO.

 


 

CÂNTICO DO TRABALHADOR POESIA DE ALBERTO ARAÚJO EM HOMENAGEM AO DIA DO TRABALHADOR

 



CÂNTICO DO TRABALHADOR

 

 

Deus! Eu sou a Vossa criatura de Amor

Homem sério, modesto e labutador.

Do barro forte e elegante Vós me fizestes.

E da minha costela, a mulher, compusestes!

 

Sou a razão da vida, a seara aguerrida.

A fonte fecundante e apetecida.

Poderoso manancial em terra brava.

Solo airoso perpetuado à Vossa casa.

 

Vós me fizestes para principiar

e jamais abandonar a labutação.

Também a mim prometestes não abandonar.

Em mim perpetrastes o bondoso coração.

 

Sou o homem argucioso e aguerrido,

que semeia o grão pródigo para o gado.

Vosso filho abençoado e querido.

Vosso gibão, árvore fértil e o arado.

 

Pai Celestial, Senhor Onipotente.

Sou o Vosso garboso e bem-feito ente.

Sou no ventre do chão, um lutador,

que cuida das Vossas maravilhas com Amor.

 

Sou audaz, sou trabalhador.

Sou guerreiro, impávido lutador.

Tenho Fé e Esperança no coração.

Corajosamente, planto o chão.

 

Sou um combatente com coragem.

Seco a colheita sob a aragem.

Cuido do rebanho e do armazém.

Em vida peço a Vossa infinita proteção

para que estejamos juntos no Céu-além.

AMÉM.

 



By ©Alberto Araújo,

Niterói, 01 de maio de 2021


quarta-feira, 28 de abril de 2021

segunda-feira, 26 de abril de 2021

FILME POESIA PROTESTO DE NEIDE BARROS RÊGO




POESIA PROTESTO DE NEIDE BARROS RÊGO, 

VOZ SYLLA CHAVES. 

CLICAR AQUI: https://youtu.be/58Fk8OmCF1o


PROTESTO

 

Neide Barros Rêgo

 

Enquanto houver fome e frio                    

nos lares pobres, nas ruas

- e tantos nem casa têm -,

eu não vou comemorar.

 

Enquanto a guerra matar

por fanatismo, ambição

- irmão destruindo irmão-,

eu não vou comemorar.

 

Enquanto houver desemprego,

faltar saúde, lazer,

segurança, educação

Eu não vou comemorar.

 

Enquanto houver preconceito

de cor, de crença e de raça,

inveja, ódio, vaidade,

eu não vou comemorar.

 

Enquanto houver desperdício,

egoísmo, indiferença,

sequestros, crime e vício,

eu não vou comemorar.

 

Enquanto houver abandono

de crianças, de idosos,

medo, angústia, sofrimento,

eu não vou comemorar.

 

Enquanto houver miseráveis,

desprezo ao deficiente

e mendigos nas sarjetas,

eu não vou comemorar.

 

Mas não perdi a Esperança

-Sonho louco? Utopia? -

de que chegará o dia

em que tudo vai mudar.

 

E eu irei comemorar.







SÁVIO SOARES DE SOUSA





O SÁBIO SABER DE SÁVIO SOARES DE SOUSA POESIA DE ALBERTO ARAÚJO.


Ao SÁVIO, HOMEM SÁBIO.

Que Sabe o Saber dos frutos da Antiga Grécia e do universo literário do nosso Castro Alves.

 

Sávio, tu tens o sabor do saber da Grécia clássica, e meu ser sabe de tua verdade, Verdadeira!

As paredes e o solo fecundo da sabedoria sabem do teu saber a pastorear imagens antigas.

És um mentor de beleza que conhece o vento e o sol da inteligência.

E como uma borboleta tu adentras na minha alma.

Eis aqui!

Fotografias escritas

da tua história de vida...

Tens a aura do poeta circunspecto

imortal e do mistério das sibilas!

És brisa a espalhar cultura e resplendor na palavra iluminada.

Com o coração ungido de contentamento, teu olhar contempla a grande luz das esferas transcendentes da nossa humana condição.

És sábio, Sávio... Astuto e simples.

Acalentas a modéstia e a essência

da ampla aragem dos antigos gregos.

És chama vibrante dos arcaicos tempos!

Quando sentimental te tornas, preferes a linguagem dos poetas da antiga Grécia que se banham nas águas do sagrado rio de Hipocrene.

Voas, então, no cavalo Pégaso rumo ao infinito das estrelas da Poesia!

Festeja os anos que tu revelas!

E que a harpa do tempo te resguarde!

Enquanto o teu doce viver peregrinar

pela Terra, teus ideais e pensamentos estarão conosco na carruagem estelar...

E todos nós, por certo, seguiremos teus fecundos passos, guiados pelos mares da tua vida e inspiração rumo ao benfazejo Céu da Poesia, onde habita Apolo com seu filho Orfeu.

 

By © Alberto Araújo

25 de abril de 2021

 





UM POUCO DE SÁVIO SOARES DE SOUSA

 

 

SÁVIO SOARES DE SOUSA Poeta, prosador, crítico de cinema, exerceu o jornalismo por mais de trinta anos, principalmente em “O Fluminense”. Nasceu em Niterói no bairro do Fonseca em 18 de setembro de 1924, filho de Oswaldo Soares de Sousa e Vespertina Reis Soares de Sousa. Descende do Visconde do Uruguai. Estudos: alfabetizado em casa, com a tia Nelsina; depois: frequentou o Colégio Brasil, Colégio Universitário da Praia Vermelha, Liceu Nilo Peçanha, Faculdade de Direito de Niterói e Sociedade Dante Alighieri do Rio de Janeiro.

 

VIDA PROFISSIONAL: Bancário (Banco Mercantil de Niterói); Taquígrafo Parlamentar (Assembleia  Legislativa do Estado/RJ (1947/1960); Advogado, Membro do Ministério Público-RJ (Promotor e Procurador de Justiça -1960/1991).

 

VIDA CULTURAL; Cofundador do Grêmio Literário Humberto de Campos (1944); do Clube de Poesia de Niterói (1956); do Clube Fluminense de Cinema (1956); da Associação Niteroiense de Cultura Latino-Americana / ANCLA e do Instituto Latino-Americano de Cultura/ILAC. Colaborador nos jornais: O Estado, Diário do Povo e Letras Fluminenses (de Luís Magalhães). Redator literário de O Fluminense, responsável pelo suplemento “Prosa & Verso” (1962/1972), juntamente, com Marcos Almir Madeira.

 

PARTICIPAÇÃO EM ACADEMIAS: Membro efetivo das Academias Fluminense, Niteroiense, Valenciana, Itaboraiense e Gonçalense de Letras. Membro da União Brasileira de Trovadores/UBT, atual presidente. Orador oficial do centenário do poeta Alberto de Oliveira, em Saquarema, RJ (1957). Fundador do Clube de Poesia de Itaboraí, RJ (1966). Cofundador e primeiro orador oficial do Grupo dos Amigos do Livro, atual Grupo Mônaco de Cultura (Livraria Ideal, Niterói/RJ). Colaborador da revista Bali, da Academia de Letras, com a seção “Nozes e Vozes” há doze anos. Foi crítico de cinema no Diário do Povo (1955).

 

Integrante do movimento “Escritores ao Ar Livro”, instituído pelo poeta e publicitário Paulo Roberto Cecchetti, e o idealizador do folheto “Resenha da Tenda”.

 

Livros publicados: “Mundo número dois”, “O salto e o paraquedas”, “Signo do sapo”, “O canibal arrependido e outros discursos” e “Rapsódia para sanfona”(trovas). Verbete da “Nova Enciclopédia Delta-Larousse” e da “Enciclopédia de Niterói”, de Luís Antônio Pimentel. Noé ou a máquina antediluviana.

 



 APOIO NA DIVULGAÇÃO





CONEXÃO SEM FRONTEIRAS é citado em mídia impressa, com credibilidade de 80 anos, no Estado do Ceará — Nordeste do Brasil.

 




CONEXÃO SEM FRONTEIRAS é citado em mídia impressa, com credibilidade de 80 anos, no Estado do Ceará — Nordeste do Brasil. O Programa de entrevistas Conexão Sem Fronteiras, da Rede Sem Fronteiras, no Instagram, foi tema de matéria, na coluna “Sociedade”. Escreve-a o jornalista Flavio Torres, no jornal impresso cearense, “O Estado”. Agradecemos a deferência e celebramos esse sucesso com nossos escritores parceiros.




 

REDE SEM FRONTEIRAS! Nós somos uma organização cultural que promove, fomenta e divulga a cultura brasileira e lusófona em mais de 20 países pelo mundo. 






APOIO NA DIVULGAÇÃO