segunda-feira, 2 de novembro de 2015

DISPONÍVEL NAS PRINCIPAIS LIVRARIAS DA NAÇÃO, DESDE 29 DE OUTUBRO, EDITADO PELA COMPANHIA DAS LETRAS, O PRIMEIRO VOLUME - DIÁRIOS DA PRESIDÊNCIA, DE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO.



 
 
 
Os diários do sociólogo, professor universitário, escritor, cientista político e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, registrados nos seus oito anos à frente da Presidência da República começam a ser conhecidos pelo público. O primeiro volume dos Diários da Presidência, de FHC, chegou às livrarias em 29 de outubro.
A articulação política para a formação do governo. O necessário convívio com o fisiologismo. As intrigas palacianas. Os atritos com o Congresso. A negociação com os setores retrógrados. A reforma do Estado. A solidão. Durante seus dois mandatos como Presidente da República. Fernando Henrique Cardoso manteve o hábito quase semanal de registrar, num gravador, o dia a dia do poder.
Os volumes têm a franqueza das confissões deixadas à posteridade — como de fato era a intenção original do autor. Neles transparecem as hesitações do cotidiano, os julgamentos duros de amigos próximos, os pontos de vista que mudam com os fatos, as afinidades que se criam e as que arrefecem. Para o leitor, são não só uma janela aberta para a intimidade do poder como uma ferramenta valiosa para a compreensão do Brasil contemporâneo.
Os registros da rotina do ex-presidente foram transcritos por Danielle Ardaillon, curadora do acervo da Fundação Instituto Fernando Henrique Cardoso, revistos pelo autor e pela editora, e serão organizados em quatro volumes bianuais (1995-1996; 1997-1998; 1999-2000; 2001-2002). Eles foram gravados com uma frequência quase semanal ao longo dos dois mandatos do tucano.
A primeira gravação foi em 25 de dezembro de 1994, quando o presidente eleito, antes de ser empossado, reflete sobre a composição do ministério.
Os dois primeiros anos de diários compreendem quase noventa horas de gravação, decupadas a partir de 44 fitas cassete. A editora planeja concluir a publicação dos Diários em meados de 2017.

TÍTULO: DIÁRIOS DA PRESIDÊNCIA
Autor: Fernando Henrique Cardoso
Editora: Companhia Das Letras
I.S.B.N. 9788535926545
Altura:  23.00 cm
Largura: 16.00 cm
Profundidade: 5.30 cm
Código de Barras: 9788535926545
Peso: 1.38 Kg
Acabamento: Brochura:
Ano da edição: 2015
Idioma: Português
Número de Páginas: 928
 
 
UM POUCO SOBRE O AUTOR
 

 
 
 

Fernando Henrique Cardoso, também conhecido como FHC  nasceu no Rio de Janeiro no dia 18 de junho de 1931, é um político brasileiro. Foi o trigésimo quarto presidente da República Federativa do Brasil entre 1995 a 2003.  Mudou-se com sua família para a cidade de São Paulo, onde se casou em 1953 com a antropóloga e sua colega de faculdade Ruth Vilaça Correia Leite, com quem teve três filhos.
Graduou-se em sociologia pela Universidade de São Paulo e mais tarde tornou-se professor emérito daquela universidade. Foi perseguido depois do golpe militar de 1964, exilando-se no Chile e na França, voltando ao Brasil em 1968. Lecionou em universidades estrangeiras e desenvolveu uma importante carreira acadêmica, tendo produzido diversos estudos sociais premiados.
Coordenou a elaboração da plataforma eleitoral do Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Em 1978, inicia sua carreira política. Naquele ano, concorreu ao Senado Federal, elegendo-se suplente de Franco Montoro. Após a eleição deste para o governo do estado de São Paulo, assume sua cadeira no senado em março de 1983. Participou da campanha das Diretas Já, contribuindo para que não houvesse radicalização política durante a transição para a democracia. Foi derrotado por Jânio Quadros em 1985 para prefeito de São Paulo e reelege-se senador um ano depois. Torna-se um dos principais líderes nacionais do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Juntamente com outros dissidentes do partido, ajudou a fundar o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) em 1988. Após o impeachment de Fernando Collor, contribuiu para a transição pacífica para o governo de Itamar Franco, de quem foi ministro das Relações Exteriores e ministro da Fazenda. Neste cargo, chefiou a elaboração do Plano Real, que acabou com a hiperinflação e estabilizou a economia. Com a ajuda do sucesso do plano, foi eleito Presidente da República no primeiro turno da eleição de 1994.
Foi empossado presidente em 1º de janeiro de 1995. Prosseguiu com as reformas econômicas iniciadas, as taxas de inflação continuaram baixas, houve a privatização de diversas empresas e a abertura de mercado, que deu maior visibilidade no mercado externo. O governo conseguiu a aprovação de leis na área econômica e administrativa, como a Emenda Constitucional de 1997, que permitiu a reeleição para cargos executivos. Em 1998 venceu a eleição presidencial no primeiro turno, tornando-se o primeiro presidente até então a ser reeleito.
Atualmente preside o Instituto Fernando Henrique Cardoso, fundado por ele em 2004, e participa de diversos conselhos consultivos em diferentes órgãos no exterior, como o Clinton Global Initiative, Universidade Brown e United Nations Foundation. Também é membro do The Elders, da Academia Brasileira de Letras, e presidente de honra do PSDB.
 
 
APOIO CULTURAL NA DIVULGAÇÃO
 
 
 
 

Nenhum comentário: