sábado, 5 de setembro de 2015

LANÇAMENTO DO LIVRO CAMINHANDO E CONTANDO - MEMÓRIA DA DITADURA BRASILEIRA DE MARCIA PARAQUETT E SÁVIO SIQUEIRA. CONFIRA.

 
 
(CLICAR NA IMAGEM PARA ASSISTIR AO VÍDEO)
 

 
OU CLICAR NO LINK DO
FOCUS PORTAL CULTURAL
NO CANAL YOU TUBE.
 



 

UM MARCO DE RESGATE HISTÓRICO INESQUECÍVEL
FOI O LANÇAMENTO DO LIVRO
CAMINHANDO E CONTANDO - MEMÓRIA DA DITADURA BRASILEIRA.


 
 
Revisitando momentos trágicos da vivência nacional, Caminhando e cOntando foi a coletânea de  textos memorialísticos  lançados em 26 de agosto de 2015, na Livraria Icaraí - no espaço da Reitoria da UFF, Rua Miguel de Frias, 9 - Niterói - RJ. Tratava-se de um registro cultural de suma importância, para o qual a Livraria da UFF  abriu suas portas para esse grande momento literário.
Estivemos lá e comprovamos  um tiro certeiro na literatura-cultura realizado, naquele local  superlotado de seleto público. Foi um enorme sucesso mesmo! A professora Márcia Paraquett,  uma das organizadoras da antologia Caminhando e cOntando, estava radiante e com justo motivo não só pela publicação do livro, mas também  pela presença de inúmeros amigos,  escritores, professores,  de vários autores da UFF e outros de Niterói que compareceram à grande noite festiva.
A professora Márcia abriu o encontro com vibrante elocução. Sorridente e entusiasmada, ela explicou  o teor da coletânea dos ensaios de Caminhando e cOntando, escritos por professores universitários que,  há cinquenta anos, viveram na carne e na alma os horrores da ditadura militar.  Estiveram presentes  vários dos  talentosos literatos que escreveram  suas memórias daqueles tempos nefastos.

Também o professor  Luiz Fernando Gualda, um dos ensaístas da coletânea, discursou, dando igualmente seu testemunho de quando estudante na Faculdade de Letras da Universidade Federal Fluminense. Acompanhado da família, esposa, filhos e neto, inclusive também de seu pai, suas palavras comoveram os presentes.
O livro é composto por dez ensaios de autores que eram estudantes durante a ditadura civil-militar. São relatos de pessoas que conviveram com a selvajaria durante todos aqueles negros tempos,  período em que elas não  tinham sequer o direito de estar livres no ambiente escolar e universitário.
A Antologia, publicada pela EDUFBA,  conta com a colaboração  dos professores e escritores: Marcia Paraquett, Antônio Dias Nascimento; Eliana Bueno-Ribeiro; Eurídice Figueiredo; Heloisa Maria Galvão;José Carlos dos Santos Andrade; Livia Reis; Luiz Fernando Gualda; Raimundo Matos de Leão; Sávio Siqueira.
A coletânea reilumina uma época nacional conturbada. Foi idealizada pela professora Marcia Paraquett da Universidade Federal da Bahia (UFBA) que a partir do projeto já em preparação, convidou Sávio Siqueira e vários colegas para contribuir com seus textos-depoimentos. A docente lecionou por longo tempo na UFF e após a sua aposentadoria, ingressou por concurso na UFBA.
O  título da antologia remete a  uma criativa intertextualidade com a  canção de Geraldo Vandré  “Pra não dizer que não falei das flores”, música marcante para os jovens estudantes, hoje professores e pais de família,  que viveram  os sombrios anos da repressão  pela qual o Brasil passou.  De  forma bastante inteligente, o livro intitula-se  Caminhando e cOntando (com "o") – e não cantando – porque são relatos, ensaios que contam, que descrevem detalhes da época.
Suas escritas narram as memórias de nosso Brasil e cada texto conta o que seu autor passou durante a ditadura militar.  Ainda que alguns dos ensaístas não tenham participado diretamente de nenhum  movimento naqueles anos de chumbo, eles, a seu modo, trouxeram às páginas do livro a sua própria história.
Em relatos verossímeis, esses escritores, há cinquenta anos jovens universitários, não mereceram as manchetes dos jornais nem participaram das estatísticas da violência contra os direitos civis. Todavia, são testemunhas oculares da barbárie silenciosa que a ditadura provocou na formação das gerações posteriores a 1964.
Certas narrativas, por serem singulares, se destacam em meio à magnitude da composição pelo estilo novo de abordar a brutalidade daquela autocracia.
As histórias são contadas em primeira pessoa e retratam experiências de caráter particular.  O volume é mesclado de relembranças históricas de pessoas que se relacionaram com a ditadura de maneiras diferentes e observam o peso e a  força do autoritarismo depois que ele acabou. São depoimentos  individuais, autênticos...
Todos sabemos que no Brasil houve duas ditaduras: a Getulista e a Militarista! Portanto, é bom frisar que Caminhando e cOntando  registra memórias dos muitos que  foram vítimas da repressão política imposta pela ditadura militar, ou seja, o sinistro regime implantado em nossa terra pelo golpe de 1964. Ficou entendido?
Explicado tudo isso, voltemos ao brilho do encontro consagrador e também congregador dos vários segmentos da sociedade  na Livraria da UFF.
Foi, de fato, uma noite inesquecível! A livraria estava superlotada. E,  como este PORTAL CULTURAL  não deixa de valorizar a memória da cultura fluminense e nacional, ele  trouxe tudo na íntegra para você. Quem não compareceu, poderá  ver porque tudo está registrado aqui! É só clicar e assistir  no vídeo à cobertura cinematográfica, fotográfica e jornalística produzida pela nossa revista eletrônica no link abaixo:
 
 
Portanto, levante dessa cadeira e corra à Livraria da UFF e adquira já essa espetacular  obra. Caso não a encontre, porque a procura do livro foi imensa, com mais de 100 exemplares vendidos na noite do lançamento, entre em contato com a editora: edufba@ufba.br.
Deste modo,  caro amigo do Focus, são apenas essas dicas que posso adiantar. Caberá então a você adquirir a obra. Ficará impactado com seu conteúdo,  com descrições bem escritas e articuladas. Se você não viveu essa fase nefasta da nossa História, vivenciará, através da   memória dos que escreveram,  o que o povo brasileiro passou,  durante o  infausto domínio militar.


ALGUMAS IMAGENS DO EVENTO


Marcia Paraquett
momento em que ela fala sobre a obra.
(Assista ao vídeo).

Lívia Reis uma das colaboradoras
também fala sobre o livro.
(Assista ao vídeo).
 
Luiz Fernando Gualda
outro colaborador e também fala sobre o livro.
(Assista ao vídeo).

Marcia Paraquett
autografando livro para Aníbal Bragança.

Este seu amigo editor
também recebeu o autógrafo da autora Márcia Paraquett.



Marcia Paraquett, Eliana Bueno-Ribeiro, Luiz Antônio Barros.



Dalma Nascimento, Leon Nascimento, Marcia  Paraquett
e a artista plástica Denise.




Marcia Paraquett e ex-prefeito Godofredo Pinto
recebeu também o autógrafo de Márcia Paraquett.








Maximiano Carvalho e Dalma Nascimento.


Marcia Paraquett e Cyana Leahy.


Luiz Fernando Gualda
autografa livro para os leitores.

Luiz Fernando Gualda e Alberto Araújo

Luiz Fernando Gualda com seu filho e o neto.


Alberto Araújo, Eliana Bueno-Ribeiro e Shirley Araújo.

Sandra Taves, Dalma Nascimento, Leon Nascimento.
 
Marcia Paraquett abraça seus netos.
 
 
 
Cartão de Cumprimentos
 
 
 
 
 (Clicar na imagem para ampliá-la).
  
APOIO CULTURAL
 
 
 
 
 
 
 
 
 
COMENTÁRIOS
 
 
 
 

Alberto,

todas as atividades culturais de nossa cidade têm - quando possível - algo em comum: a divulgação criteriosa e o registro simpático, diversificado, leal ao acontecimento.  E isso se repetiu no lançamento  do Caminhando e Contando, no dia 26 de agosto na Livraria Icaraí.

Agradeço a bela cobertura  informativa, fotográfica e audiovisual, marca da sua capacidade de historiar com honestidade a vida literária de Niterói.

Um grande abraço.

Luiz Fernando Gualda

 


Luiz Fernando Gualda,
escritor e professor.
 
 

 
 
************************************
 
 
 
Eu estive lá dando um abraço no meu amigo Luiz Fernando Gualda!
PRC
 
Paulo Roberto Cecchetti 
 
 
Paulo Roberto Cecchetti,
 
jornalista, curador e poeta.
 
  
 
******************************************


Alberto, magnífica  a cobertura,  por você realizada,   do lançamento do livro Caminhando e contando, coordenado pela amiga Marcinha.
Em cada postagem  você mais expande seus dons  artísticos e  também  ratifica o título de Hermes, o mito grego mensageiro da comunicação da cidade.
Você montou  imagens "rodopiantes", caleidoscópicas, que, no vídeo, magicamente se transformam. Por  meio delas, perenizou as cenas e, ao mesmo tempo,  simbolizou a emoção coletiva  que circulava na livraria da UFF  na noite de 26 de agosto.

Para mim foram momentos de reencontro com o passado. Lendo principalmente os textos de Luiz Fernando, Eliana, Marcinha voltei, com eles,  aos nossos tempos tumultuados da Faculdade de Letras da UFF em plena ditadura militar. Emocionei-me, mesmo! Usando aqui o título do seu projeto memorialístico em andamento,   são "memórias eternizadas"  que ficaram na geografia do coração. Tatuagens na alma.
Meus cumprimentos por mais esta cartada de mestre.
Dalma Nascimento.













Dalma Nascimento é

jornalista, escritora e
doutora em Literatura Comparada da UFRJ.

 ************************************************************

Querido Alberto, quero agradecer enormemente a cobertura que você deu ao livro. Adorei o vídeo e já o divulguei aos quatro ventos. Teremos essa lembrança que nos ajudará a não esquecer daquela noite agradabilíssima. Um forte abraço,
 
Marcia.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Marcia Paraquett
é professora e doutora em literatura espanhola
e latina americana e pós-doutorado pela USP.


*************************************************************




Caro Alberto,
Muito obrigada por tudo. Como sempre,
sua cobertura esta otima!
Um forte abraço!
Eliana.

 
Eliana Bueno-Ribeiro
escritora e pós-graduada em
Literatura Comparada
na Nouvelle Sorbonne, Paris III
 
 
 
 
***************************************************************
 
 
 


Nenhum comentário: