terça-feira, 26 de março de 2013

PROJETO MÚSICA NA SÃO JUDAS APRESENTA O CONJUNTO DE MÚSICA ANTIGA DA UFF. CONFIRA

 
 
ASSISTA AO VÍDEO COM FRAGMENTOS DE IMAGENS
 
DO CONJUNTO MÚSICA ANTIGA DA UFF
 
 
BASTA CLICAR AQUI
 
 
 
 
O repertório português de músicas renascentistas constitui-se de pérolas da polifonia ibérica e sobreviveu em poucos manuscritos, preservados em bibliotecas em Portugal e na França. Além desses, existem os cancioneiros castelhanos que igualmente preservaram uma parte da música da corte portuguesa.

 
No tempo dos descobrimentos, Portugal era o grande mercador da Europa e D. Manuel I, rei na época, travou sangrentas batalhas nas costas da África, para solidificar o Império Português. Lisboa era o centro desse burburinho e atraía a atenção de todos pela sua imensa riqueza. De Lisboa, no dia 8 de março de 1500, partiam as caravelas que descobririam o novo mundo.

O reinado de D. Manuel foi rico em festividades. Todos os domingos e dias santos eram organizados serões no paço e ao som dos instrumentos musicais dançavam as damas e os moços fidalgos além do próprio rei. A corte de D. Manuel foi palco de intensos debates poéticos e ricas encenações teatrais produzidas por Gil Vicente, principal dramaturgo do reino.   
 
 
Espaço Cultural e Centro Pastoral

São Judas Tadeu

Rua Comendador Queiroz, 33 - Icaraí - Niterói - RJ
 
 
 
Louise Eyer de Jesus - coordenadora
 
 

MÚSICA NA SÃO JUDAS
APRESENTOU
 
Aconteceu dia 20 DE MARÇO DE 2013  às 20 h
 
Composto por
Leandro Mendes, Lenora Pinto Mendes, Márcio Paes Selles,
Mario Orlando, Sônia Leal Wegenast (convidada especial)
e Virgínia Van der Linden.
 
 
PROGRAMA

Amor loco, amor loco (Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa)

Soy serranica (Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa)

Antonilha es desposada (Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa)

Que he o que vejo (Cancioneiro D'Elvas)

Cuydados meus tãos cuydados (Cancioneiro D'Elvas)

Vós senhora (Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa)

Nina era Ia lnfanta (Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa)

Não tragais borzeguis pretos (Cancioneiro da Biblioteca Nac. de Lisboa)

 Propifiñán de Melyor  (Cancioneiro Colombina)

Senhora deI mundo (Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa)

Puestos estan frente li frente (Cancioneiro da Biblioteca Nac. de Lisboa)

Todos los bienes del mundo (Cancioneiro do Palácio)


 
Leandro Mendes
 
 Lenora Pinto Mendes
 
Márcio Paes Selles
 
Mario Orlando, Sônia Leal Wegenast (convidada especial)
e Virgínia Van der Linden.
 

Objetivo do conjunto é recriar a sonoridade da Idade Média e do Renascimento, sempre buscando entreter o espectador com o fascínio e a magia presentes nesse repertório: o conjunto Música Antiga da UFF vem cumprindo este papel há trinta anos, resgatando e transmitindo não apenas a música, mas a própria visão de mundo daquela época. Composto por Leandro Mendes, Lenora Pinto Mendes, Márcio Paes Selles, Mário Orlando, Sonia Leal Wegenast e Virgínia van der Linden, o grupo continua pesquisando e descobrindo novas formas de levar ao conhecimento do público a música que encantou a Europa Ocidental durante quase seis séculos. Dessa forma, seus seis integrantes trabalham com pesquisa bibliográfica e discográfica, apresentando-se com réplicas dos instrumentos utilizados naqueles períodos.

Ao longo de sua carreira, o grupo gravou sete CDs temáticos e um LP que já somam mais de 15 mil cópias vendidas: Lope de Vega - Poesias cantadas, Cânticos de amor e louvor, Música no Tempo das Caravelas, A chantar - Trovadoras medievais, O Canto da Sibila, Medievo Nordeste e o mais recente, Carmina Burana; realizou mais de 500 concertos por todo o Brasil, trilhas sonoras, videoclipes, além da organização de cursos, festivais e feiras medievais e renascentistas na Universidade Federal Fluminense. Seus integrantes estão capacitados a ministrar workshops, palestras e oficinas,  como, por exemplo, de canto e dança deste período e suas técnicas, música medieval, evolução da escrita musical, bem como oficinas dos vários instrumentos de época tocados pelo grupo.
 
 
 

A Música na Corte de D. Manuel I
À época dos descobrimentos de além-mar, Portugal era um dos grandes países mercadores da Europa e D. Manuel I, rei de Portugal na época, mais conhecido como "o Venturoso", empreendeu diversas batalhas nas costas da África, com o objetivo de ampliar e manter o Império Português. Lisboa era, então, o centro do Império e atraía a atenção de todos por sua imensa riqueza. Foi de lá que, no dia 8 de março de 1500, partiram as caravelas que chegariam ao novo mundo. D. Manuel I, conhecido como O Venturoso por causa das conquistas e da manutenção do reino, também promoveu o incremento da cultura e apreciava as comemorações religiosas e a boa música. Em todos os domingos e dias santos eram organizados serões no paço e, ao som dos instrumentos musicais, dançavam damas e moços fidalgos, além do próprio rei. A corte de D. Manuel foi ainda palco de intensos debates poéticos e ricas encenações teatrais, a maioria produzida pelo dramaturgo Gil Vicente. O repertório musical renascentista português, composto durante o reinado de D. Manuel, constitui-se de pérolas da polifonia ibérica e sobreviveu em poucos cancioneiros manuscritos, preservados em bibliotecas em Portugal e na França. Além desses, existem também os cancioneiros castelhanos que igualmente preservaram uma parte da música de corte portuguesa, quase que exclusivamente de autores anônimos.
 








público presente




Márcio Selles - músico














Leandro Mendes, Márcio Selles - músicos
Alberto Araújo - editor do FOCUS

Alberto Araújo - Espaço Cultural São Judas Tadeu

 
 
Saiba mais acesse os sites:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 



FONTE:  http://www.noticias.uff.br 



Um comentário:

Marcio disse...

Oi Alberto, as fotos ficaram ótimas e a matéria também! Voce recriou o estpetáculo! um grande abraço
Marcui