quarta-feira, 16 de novembro de 2016

OFÉLIA - POESIA DE ALBERTO ARAÚJO - HOMENAGEM À PERSONAGEM DA PEÇA HAMLET DE WILLIAM SHAKESPEARE.

 
 
 
Ophelia - Alfred Stevens 1887



 
 
OFÉLIA
                         
(a Ofélia de Hamlet de William Shakespeare) 
 
 
 
Têm a fragrância das flores do amor
as águas em que tu morreste, linda menina! 
Tão majestosa jovem! Doce o teu hálito em flor.
Ó, OFÉLIA, triste essa tua imensurável sina.

Expiraste! Grande Ninfa da Beleza,
nas águas do rio que desce escondido
das abissais montanhas norueguesas. 
Faleceste por amor não correspondido.

Uma ação desesperada e inerme tua
fez purificar-te na brilhante lua. 
Pobre donzela, com perfil de realeza,
repousas tranquila nas águas da natureza.

Sofredor o teu coração: Eterno desvario!
Peito dorido, infeliz e que desatina.
A tua alma padecerá no leito do rio
mas, na história dramática de William,
tu serás enternecida: Uma heroína!




 
Poesia de Alberto Araújo
Poeta e jornalista.
 



 
 
 

 

OFÉLIA

 
Ofélia é uma das personagens secundárias da peça Hamlet. Na referida peça, a personagem Ofélia morre afogada, num provável suicídio. A bela Ofélia, que amava Hamlet, vê-se privada do seu amor, passa a dar mostras de loucura após a morte do seu pai, Polônio, que fora assassinado por Hamlet. Enquanto Ofélia enlouquece, Hamlet apenas finge perder o juízo para conseguir vingar a morte do falecido Rei Hamlet, seu pai; e a sua melancolia forjada atinge tal grau que o leva a divagar sobre o suicídio.
A personagem Ofélia ao mesmo tempo em que é secundária, é fundamental à trama. Shakespeare através da morte trágica e dúbia da doce e jovem cria um espaço para uma discussão apreciativa, porém sutil sobre o suicídio um tema delicado a ser discutido devido a predominação da igreja católica na época.
Fora da conjuntura da obra de Shakespeare a personagem Ofélia foi ainda mais louvada, ela se transformou na figura de uma ninfa das águas caudalosas de um rio rodeado por árvores e flores, uma bela jovem que foge de sua loucura entregando-se a um sono tranquilo enquanto jaz deitada num berço de águas. Ofélia representa uma alma atormentada que foge de si mesma entregando-se a um sono que a conduz ao esquecimento, a morte.

 
 
 




 
 
 COMENTÁRIOS
 
 
 
 
Ofélia é um hino à pureza d'alma. Shakespeare colocou toda sua sensibilidade na doçura dessa personagem pois cada um de nós tem uma Ofélia num canto do coração. E deixamos a pobre se afogar, no rio das nossas emoções, sem sequer socorrê-la.
 
Então, poeta Alberto, quando dizes, em teus versos, que a "pobre donzela, com perfil de realeza, repousas tranquila nas águas da natureza" tu confirmas as dúvidas de Hamlet.
 
Ela sucumbe, eternamente, à perversa escolha que nos cabe, diante da vida e da morte. "To be or not to be" repetiremos, indefinidamente, e o poeta cravará em si mesmo um punhal para salvar a doce Ofélia das garras da estupidez humana.
 
 
Lemme.
 
****************************
 
 

Um comentário:

Luiz Carlos Lemme disse...

Ofélia é um hino à pureza d'alma. Shakespeare colocou toda sua sensibilidade na doçura dessa personagem pois cada um de nós tem uma Ofélia num canto do coração. E deixamos a pobre se afogar, no rio das nossas emoções, sem sequer socorrê-la. Então, poeta Alberto, quando dizes, em teus versos, que a "pobre donzela, com perfil de realeza, repousa tranquila nas águas da natureza" tu confirmas as dúvidas de Hamlet. Ela sucumbe, eternamente, à perversa escolha que nos cabe, diante da vida e da morte."To be or not to be" repetiremos, indefinidamente, e o poeta cravará em si mesmo um punhal para salvar a doce Ofélia das garras da estupidez humana.