sábado, 25 de junho de 2016

COBERTURA RECITAL DE POESIAS MARIA SABINA - 25 ANOS DE SAUDADE NO CENTRO CULTURAL MARIA SABINA. CONFIRA.

 
(CLICAR NA IMAGEM PARA ASSISTIR AO VÍDEO)
 

 
 
Este vídeo contém as imagens do Recital de Poesias Maria Sabina - 25 anos de saudade, realizado no Centro Cultural Maria Sabina, em 18 de junho de 2016. Coordenação: Neide Barros Rêgo. Narração: Neide Barros Rêgo e Gracinha Rego. Homenageada: Maria Sabina. Participação de alunos e declamadores, poetas e convidados. Fotografia - Filmagem - Edição do jornalista e escritor Alberto Araújo editor do Focus Portal Cultural.


CLICAR NO LINK DO CANAL YOU TUBE DO
FOCUS PORTAL CULTURAL
 
 
 
Com uma plateia concorridíssima e sob a coordenação da poetisa Neide Barros Rêgo e as delineadas narrações de Gracinha Rego e Neide Barros aconteceu no dia 18 de junho de 2016, o Recital de Poesias Maria Sabina - 25 anos de saudade.
 
O recital tributo à poetisa e professora Maria Sabina, feito pelos alunos diplomados (Curso Arte de Dizer), declamadores e convidados especiais, foi realizado, no Centro Cultural Maria Sabina, que fica localizado na Rua Santos Moreira, 52 - Casa 15 - Santa Rosa - Niterói - RJ.
 
A apresentação do perfil biográfico de Maria Sabina ficou a cargo da coordenadora Neide Barros, que o proferiu em brilhante alocução. As palavras da intelectual estão disponibilizadas na internet.
 
Ao final, a coordenadora Neide Barros Rêgo - agradeceu a todos os intérpretes, poetas e algumas das autoridades presentes.  Após o recital, no andar térreo, foi servido um delicioso coquetel de confraternização. Na ocasião, foram comemorados os aniversários dos declamadores Juber Baesso e Ana Regina Seixas.
 
Esta revista cultural esteve presente ao evento e trouxe as imagens para você, clicar no link:
 
IMAGENS DO RECITAL
 
 
Banner de Maria Sabina
poetisa homenageada
(exposto no CCMS).
 
Neide Barros Rêgo - coordenadora
(momento em que inicia o recital).
 

PALAVRAS DE NEIDE BARROS RÊGO
NA ABERTURA DO RECITAL
“MARIA SABINA –
VINTE E CINCO ANOS DE SAUDADE”,
EM 18 DE JUNHO DE 2016, NO CCMS.
 
Boa tarde! Sejam todos bem-vindos ao Centro Cultural Maria Sabina!
 
Estamos muito felizes porque vocês se uniram a nós para homenagearmos, hoje, dia 18 de junho de 2016, nossa patrona: MARIA SABINA.
 
Natural de Barbacena (Minas Gerais), Ela veio ao mundo no dia 6 de dezembro de 1898. De 1904 a 1910, residiu em Niterói, na Praia de Icaraí, quase em frente à Pedra do Índio.
 
Aos onze anos, mudou-se com a família para o Rio de Janeiro, onde viveu ativamente por oito décadas, até fechar os olhos para sempre, em 17 de julho de 1991. São vinte e cinco anos de saudade!
 
Maria Sabina foi uma das pessoas mais importantes da minha vida. Com ela convivi durante trinta anos (de 1960 a 1991). 
 
Através da declamação, adquiri a maioria dos meus conhecidos e amigos.  E cheguei às Academias de Letras, aos teatros, salões, e ao Esperanto.
 
A vida e extensa carreira de nossa inesquecível mestra, que foi: poetisa, jornalista, declamadora, professora de arte de dizer, de literatura universal, de inglês e francês, estão brevemente relatadas no verso do programa do recital de hoje.
 
 
Em 1921, ainda aluna de Ângela Vargas, começou a ensinar. Deu ao seu Curso o nome de Olavo Bilac e diplomou centenas de alunos. Entre eles nós, que também vamos nos apresentar hoje: Marly Prates (que foi minha primeira professora quando cheguei de Minas aos 12 anos), eu, e minhas alunas: Ruth de Almeida Pessanha, Aparecida Barreto e Gracinha Rego (a última diplomada por Maria Sabina em 1987). Tivemos esse privilégio!
 
 
A recitalista profissional Maria Sabina, percorreu o Brasil de Norte a Sul, apresentando-se nos maiores teatros brasileiros. Em janeiro deste ano, eu vivi a emoção de conhecer, em Manaus, o lindo Teatro Amazonas, onde ela se apresentou mais de uma vez, na década de 20.
 
Numa época, em que era comum a atitude passiva da mulher, ela ousou defender seus ideais, como feminista, e cantar, em prosa e em verso, o seu amor pela vida, pelas artes e pela pátria.
 
No ano em que completamos vinte e cinco anos sem Maria Sabina, eu, Gracinha e Marly nos incumbimos de organizar este recital, do qual participarão, além de alunos, alguns dos declamadores diplomados por mim, após o falecimento de Maria Sabina: Alex Peixoto da Costa, Maria Otília Marques Camillo e Alba Helena Corrêa.
 
Hoje, serão declamados alguns poemas de seus livros: Água Dormente (1925), O País sem Caminhos (1931); Entusiasmo (1938); Canto do Tempo Trágico (1946); Canto Solitário (1964) e algumas poesias feitas na década de 80.
 
Este espaço recebeu o nome de Centro Cultural Maria Sabina, não somente pelo grande afeto e admiração que nutrimos pela nossa mestra, mas, principalmente, pela importância da atuação da poetisa e declamadora, que valorizou como poucos, nossa terra natal.
 
O retrato que hoje está na parede foi inaugurado com a presença dela, em 22 de maio de 1982. E o busto que está em nosso palco me foi presenteado pela família, após o seu falecimento. Na ocasião tivemos a presença de sua cunhada Lucy.
 
Lembramos que o Curso Maria Sabina, daqui a seis dias, no próximo dia 24, dia de São João, Padroeiro de Niterói, completará 55 anos de fundação e ininterruptas atividades.
 
Convido ao palco Gracinha Rego para, juntas, apresentarmos o programa desta noite. 
 

Neide Barros Rêgo - coordenadora

 
GRUPO NUANCE
(Neide, Aparecida, Marly e Gracinha)
Canto de Fé
(fala de Neide Barros)

GRUPO NUANCE
(Neide, Aparecida, Marly e Gracinha)
Canto de Fé
(fala de Gracinha Rego).


GRUPO NUANCE
(Neide, Aparecida, Marly e Gracinha)
Canto de Fé
(fala de Marly Prates).

 

GRUPO NUANCE
(Neide, Aparecida, Marly e Gracinha)
Canto de Fé
(fala de Aparecida).

 
 
ZENEIDA SEIXAS
Cantiga de ninar
 

ANGELA RICCOMI
Demolição
 
MARIA LUIZA DUTRA
Docilidade
 
ALBA HELENA CORRÊA
Meu nome
 
ANA REGINA SEIXAS
Canto de esperança
 
 Neide Barros Rêgo
e Gracinha Rego - narradoras.

SÍLVIA OTTO
Há sempre uma nova aurora
 
NEIDE BARROS RÊGO
Cartas de amor
 
NEIDE BARROS RÊGO
Cartas de amor
 
APARECIDA BARRETO
Uma flor entre as páginas de um livro


CARMEN BRASIL
Braços vazios
 
GRACINHA REGO
Ronda encantada
 
JUBER BAESSO
Não silenciem o canto
 
MARIA OTÍLIA CAMILLO
Poesia
 
FRANCISCA COELHO
Terra luminosa


ALEX PEIXOTO DA COSTA
As razões de um soldado brasileiro


Público presente ao recital.

Imagem da Homenageada Maria Sabina
no Centro Cultural Maria Sabina.

NILDE BARROS DIUANA
Para retratar um passarinho
de Jacques Prévert
Tradução: Maria Sabina.


RUTH PESSANHA
Tu me queres branca
de Alfonsina Storni
Tradução: Maria Sabina.
 
LEDA MENDES JORGE
Dualidade
 
MURILO LIMA
Trovas

FABIANA LATGÉ
Asa-delta
 
GENTIL DA COSTA LIMA
O grito


NEIDE BARROS RÊGO e GRACINHA REGO
Os rios
 
NEIDE BARROS RÊGO e GRACINHA REGO
Os rios
 
ANA REGINA SEIXAS
Alma do carnaval

                   
MARLY PRATES e ANA REGINA SEIXAS
Alma do carnaval

MARLY PRATES e ANA REGINA SEIXAS
Alma do carnaval
 

Nilde Barros Diuana - declamadora
(registra todo o recital)

 

Fotografia dos declamadores.

Fotografia dos convidados.
 

 

MARIA SABINA DE ALBUQUERQUE
 

Maria Sabina de Albuquerque nasceu em Barbacena (MG), no dia 6 de dezembro de 1898. Fundou, em 1921, no Rio de Janeiro, o Curso Olavo Bilac, de Arte de Dizer, que perdurou por quase setenta anos.

Doutora em Letras Inglesas pela Universidade de Cambridge. Lecionou francês, literatura universal, arte poética e oratória.
A poetisa, jornalista, integrou a Associação Brasileira de Imprensa após 1930.  Também foi declamadora, escritora. É verbete na Enciclopédia de Literatura Brasileira, de Afrânio Coutinho e J. Galante de Sousa. Patrona de Cadeiras na Academia Barbacenense de Letras, Academia Internacional de Letras, Academia Nacional de Letras e Artes.
É nome de Rua no bairro de Bangu no Rio de Janeiro, enfim, uma presença de destaque no cenário cultural brasileiro. A intelectual ganhou ainda mais dimensão sobre o seu profícuo trabalho, quando no ano 1961 foi inaugurado o Centro Cultural Maria Sabina (CCMS), ambiente destinado à memória da pessoa e obra da autora. Modelo máximo desta amizade é Neide Barros Rêgo, a mais fidedigna seguidora de Maria Sabina e que, com mestria, preside as distintas iniciativas do mencionado Centro Cultural.

Para os que não sabem, coordenada por Neide Barros Rêgo e uma equipe de pesquisadores, prepara há anos, um compêndio que sairá dividido em vários tomos, a ampla bibliografia sobre a vida e obra da autora. Serão edições históricas, pois, reunirão seus registros literários, notas biográficas, as muitas notícias veiculadas em jornais, e sem deixar de falar do rico material fotográfico que retrata as diversas fases da longa carreira da autora.

 
ALGUMAS OBRAS DE MARIA SABINA:


Em poesia, escreveu: Na Penumbra do Sonho (1921); Água Dormente (1925); O País sem Caminhos (1931); Entusiasmo, com três edições (1938, 1944 e 1968); Canto do Tempo Trágico (1946); Canto Solitário (1964); Sequência do Sonho (1971); As Testemunhas – Romance do Tempo que Passou (1986), contendo 1361 versos.

Em prosa, publicou: Alma Tropical (contos – 1928); Adolpho Lutz (biografia); João Pedro de Albuquerque (biografia) e Joaquim Gonçalves Ramos (biografia).

Para ilustrar ainda mais esta página, trouxemos a poesia Cartas de Amor - interpretada por Neide Barros Rêgo no vídeo que produzimos. Eis, o texto:

 

CARTAS DE AMOR

 

Quando recebo as minhas cartas cada dia,
tenho um lindo momento de alegria! 
São notícias diversas
das criaturas amigas que, dispersas
por este mundo, aos quatro ventos,
recordam-se de mim com amizade
e, para suavizar a distância e a saudade,
vêm conversar comigo alguns momentos.
 
E alguém me disse um dia:
“Se tens tamanho encanto
em receber cartas amigas simplesmente,
tu que te alegras tanto,
certamente
enlouquecias de alegria,
estremecias de fervor
se estas cartas comuns fossem Cartas de Amor!
 

E então me recordei que no lindo romance
que foi o meu amor,
tive tudo o que estava ao meu alcance,
todo o esplendor,
a beleza, a ternura, o encanto, a ânsia,
mas não tive a Distância
nem as Cartas de Amor.

E hoje que a Eterna Ausência nos separa
e que a Distância que ninguém transpôs,
como uma Via Láctea imensa e clara
se estende entre nós dois,
como seria bom se as estrelas cadentes,
riscando a noite com seu fulgor,
pequeninos correios refulgentes,
trouxessem lá do céu minhas Cartas de Amor!

 
 
A intelectual Maria Sabina de Albuquerque "encantou-se" em 17 de julho de 1991, no Rio de Janeiro.

 
ALGUMAS IMAGENS DO RECITAL
 

 

 
As fotos a seguir são imagens externas:
Centro Cultural Maria Sabina.
 
 
 
 
 
 
 

Bolo de aniversário da
Ana Regina e Juber Baesso.

Ana Regina Seixas
aniversariante do dia.
 
Neide Barros, Jefferson Tardin,
Ana Regina Seixas
e Juber Baesso
(Posam para nossas câmeras no
momento dos parabéns).

Gentil  da Costa Lima, Marly Prates
e Alberto Araújo.
(Esta revista produziu o DVD
da homenagem ao Gentil Lima no CCMS
e o sorteou e a Marly Prates foi a felizarda).
 
 
Banner da poetisa Maria Sabina
(exposto no CCMS).
 
 
APOIO CULTURAL
 
 
 
 
 
 
 MENSAGENS
 
 
 

Prezado Alberto Araújo:

Estou encantada com a reportagem que você fez sobre o nosso recital MARIA SABINA – 25 ANOS DE SAUDADE, realizado em 18 de junho de 2016, no Centro Cultural Maria Sabina.

Além do resumo biográfico da homenageada, que fizemos constar do programa impresso, e das palavras que proferi na abertura do recital, você inseriu e disponibilizou no blog FOCUS PORTAL CULTURAL, as fotos colhidas durante as apresentações e o coquetel, todas com legendas.

Adorei a foto de Maria Sabina que você enfeitou com arte e cores. Gostei de tudo: da filmagem, das fotos e dos seus comentários.

Também já assisti à filmagem que você postou no YouTube. Queremos encomendar os vídeos do recital.

Só tenho a lhe agradecer o apoio e parabenizá-lo pelo excelente trabalho de divulgação que você vem realizando dos nossos eventos e de outros eventos culturais de Niterói e do Rio de Janeiro.

Um abraço da

Neide

 
 
 **************************************

OUTRAS IMAGENS DO RECITAL DE POESIAS
MARIA SABINA - 25 ANOS DE SAUDADE.
REALZADO 18-06-16






 

Nenhum comentário: